The Chronicles of Riddick

Publicado: 19 de fevereiro de 2010 em Cultura Nerd, Filmes, Game Review, Jogos
Tags:, , , , , , , , ,

Riddick apareceu pela primeira vez no filme escrito e dirigido por David Twohy (Jim Wheat e Ken Wheat também escreveram o roteiro), Pitch Black, ou como é conhecido por aqui Eclipse Mortal. O filme que trás Vin Diesel no papel do assassino Riddick, o único homem que se têm noticia a fugir da prisão Butcher Bay (se lembro bem o nome Butcher Bay não aparece no filme). Como aconteceu essa fuga é o que você descobre jogando o jogo para Xbox e relançado ano passado para todas as plataformas junto com sua seqüência The Chronicles of Riddick: Escape From Butcher Bay.

O enredo de Escape From Butcher Bay

O jogo começa com Riddick preso na nave de Johns sendo levado para Butcher Bay, uma das prisões mais seguras do universo, instalada em um planeta árido e coberto por desertos. Como Riddick foi capturado não sabemos, nos extras do filme Pitch Black há um diário de bordo que conta por cima como o caçador de recompensas conseguiu recapturá-lo após a fuga de Butcher Bay. Johns esperava lucrar muito com a captura de Riddick, mas Hoxie, o administrador da prisão não está disposto a pagar a quantia que o caçador deseja. Isso é importante porque Johns não vai embora, ele fica pelo local, pois não quer abrir mão de Riddick por tão pouco. Depois de ser escoltado até sua cela, numa seqüência muito boa e com ótima trilha sonora, é que o jogo começa, e não há tempo a perder. Seu objetivo é simples, procurar as falhas na prisão em busca de uma rota de fuga. Isso só é possível devido às diversas intrigas espalhadas pela prisão.

O enredo do jogo não é nenhuma novidade, você já começa sabendo que sua fuga é bem sucedida, mas isso não torna o jogo menos interessante. O roteiro de Escape from Butcher Bay também foi escrito por David Twohy, isso deixa o jogo muito mais ligado com o filme, pois você sente realmente que aqueles personagens são os vistos no cinema. Não cabe a mim contar passo a passo como se da à grande fuga de Riddick, mas digo que vale a pena, os diálogos do jogo estão ótimos e ajudam muito a se situar na narrativa.

Os Gráficos

Escape From Butcher Bay foi lançado em 2004, mas ano passado foi relançado junto com sua continuação Assault on Dark Athena. Todos os gráficos foram atualizados, não chegam a um nível de um jogo atual, mas você não sente que está jogando um título de 2004. O trabalho foi muito bem feito, o jogo de luz e sombras ainda está ótimo, assim como as feições e expressões dos personagens. Riddick e Johns ficaram muito parecidos com os atores que os interpretaram no filme, e como eles também fizeram as vozes não poderia ter ficado melhor. O que me chamou mais atenção com relação aos gráficos foi os cenários, todos eles bem pensados e interessantes. Para cada nível de segurança há um conceito diferente, muito compatíveis com os que existem nos filmes. Talvez o pior no quesito gráfico sejam os guardas, apesar de terem um bom conceito eles não variam muito em sua aparência, se não fosse pelas vozes você ia achar que está matando sempre a mesma pessoa. As armas também ficaram interessantes em Escape from Butcher Bay, apesar de termos as mesmas de sempre, escopeta, um rifle de assalto e uma pistola o estilo delas ficou bom o suficiente para parecerem futuristas sem deixar de ter realismo. Pena que durante o jogo quase não se usa essas armas, quando você está com um belo arsenal, perde tudo. No fim a arma mais usada é uma pequena pistola que dispara um choque que incapacita temporariamente a vitima.

Coisas do Jogo

O combate

Na maior parte do jogo você não terá nada além de suas mãos para se defender, mas considerando que você está controlando Riddick isso é muita coisa. O jogo trás um sistema de combate desarmado muito bom que até hoje eu não havia visto em outros títulos. Tudo é muito simples e os mesmos comandos servem também para qualquer tipo de arma branca. Há um botão de defesa e um de ataque, o diferencial é que depois de desferido o primeiro golpe você pode por o direcional para alguns dos lados para continuar golpeando, o mesmo pode ser feito em seguida, podendo se chegar a uma seqüência de três ou quatro golpes. Há também os counters (contragolpe) e alguns movimentos que são feitos quando o oponente está para morrer. Acertar o counter no tempo certo é um pouco difícil, mas a eficácia do golpe é recompensadora tanto pelo dano quanto pela animação do Riddick socando o inimigo. E se o oponente estiver usando uma arma de fogo o contragolpe o mata na hora em uma animação legal, mas sem variação. O combate é tão divertido que sempre que possível eu preferi usá-lo ao usar as armas de fogo.

Riddick como mostra nos filme é um mestre em se esconder nas sombras, e em Escape from Butcher Bay você utiliza muito dessa habilidade. Praticamente todos os guardas da prisão usam armas de fogo, mas isso não quer dizer que você possa usá-las, pois todas as armas possuem um decodificador de DNA que lhe dá um choque sempre que se tenta empunhá-la sem autorização. Enfrentar guardas armados não é uma boa idéia, então o melhor a fazer é se esconder nas sombras e atacar silenciosamente. O jogo lhe da uma boa dica para você saber se você realmente está invisível aos olhos dos guardas, a tela fica com uma tonalidade azulada. Mas se um guarda o viu antes de você se esconder, ou mesmo ouviu algo como uma lâmpada quebrando, ele pode ir a sua procura, mesmo com Riddick escondido pelo breu. Deixar um corpo exposto no meio dos corredores também pode lhe denunciar, sendo assim há a possibilidade de arrastar o cadáver para algum canto escuro e deixá-lo ali. Já o combate com armas de fogo é bem comum como em qualquer outro FPS, as armas são legais e os sons não são os melhores, mas também não são ruins. Não tem nada de novo nem do que reclamar aqui. Um último detalhe sobre os comandos, no jogo há uma espécie de cover-system, mas que funciona de maneira diferente com o que estamos acostumados. Quando você está próximo a uma parede ou escondido atrás de uma caixa, segurando o botão do comando e movendo o analógico na direção desejada, você pode dar uma espiada, e se estiver armado até atirar. O bom desse sistema é que se estiver no modo furtivo, vai continuar assim, mesmo olhando por cima da caixa ou pela lateral da parede.

Os cigarros, dinheiro e itens

Há vários pacotes de cigarros espalhados por toda Butcher Bay, você pode consegui-los comprando de outros presos, ganhando por ter feito algum favor, ou mesmo achando pelos lugares em que você passa. Cada um dos mais de sessenta cigarros é diferente, eles servem para liberar os extras disponíveis no jogo. Com o dinheiro é parecido, você pode achar as verdinhas espalhadas pelos cenários, ganhá-las no ringue ou nos dados. Às vezes os guardas que você mata deixam um pouco de dinheiro. Além de comprar os cigarros de outros presos, comprar seu espaço no ringue e jogar nos dados, o dinheiro também serve para se comprar munição e uma armadura de guarda, mas isso somente em uma parte do jogo. Há outros itens no jogo, mas no geral eles só servem para cumprir algumas missões ou como moeda de troca. A única exceção são os itens de cura, em Escape from Butcher Bay você tem alguns quadrados de vida, quando um deles é parcialmente perdido ele regenera se Riddick ficar parado, mas se você perde um por inteiro ele não volta. Para recuperar a sua vida deve se usar algumas das várias estações médicas que estão espalhadas pela prisão, elas funcionam com nanotecnologia e cada uma delas só consegue recuperar quatro quadrados de vida, mas usando um Nanomed Refil você pode fazer com que qualquer estação volte a funcionar.

As missões

Durante o jogo você se deparar com várias missões, algumas vão ser obrigatórias, outras não. Nas missões que você é obrigado a fazer há certa liberdade de como realizá-las, o jogo quase sempre oferece várias possibilidades. As missões secundárias não são necessárias para o enredo, mas se completadas você ganhará uma recompensa. Algumas vezes pode ser dinheiro, cigarros ou armas, mas em algumas outras a recompensa pode ser a ajuda da pessoa que lhe pediu o favor. Essas missões aumentam a vida do jogo, pois você pode querer voltar a jogar para completar todas. É na parte de missões que estão a maior parte dos diálogos do jogo. Essas conversas servem para se obter informações, favores, tudo que você precisa para tentar fugir de Butcher Bay.

Eyeshine

Quem viu o filme Pitch Black sabe que Riddick conseguiu seus olhos que conseguem ver tudo no escuro absoluto na prisão em que estava preso, ou seja, Butcher Bay. Ao começar o jogo você ainda não tem essa habilidade, mas não demora a consegui-la. O eyeshine é extremamente útil na maior parte do jogo, quando você esta andando pelos dutos de ventilação ou numa emboscada num corredor escuro, sem ele esses ataques furtivos seriam impraticáveis. Mas essa habilidade nem sempre ajuda, se um guarda apontar uma lanterna para o seu rosto quando se está com o eyeshine você fica cego, e isso pode significar a morte.

Robôs

Durante o jogo você tem a oportunidade de utilizar dois dos veículos blindados usados pelos guardas para fazer as patrulhas e defesas da prisão, são eles o Riot Guard e o Heavy Guard. O Primeiro funciona mais como um exoesqueleto blindado e com vários rifles no lugar das mãos. Já o segundo é um pequeno mech equipado com metralhadoras e mísseis. O controle desses equipamentos não é dos melhores, mas são realistas. O jeito como a máquina caminha, responde aos seus comandos e os sons que elas fazem ajudam muito a você ter uma boa impressão que está no controle desses robôs. O Riot Guard é mais fácil de ser pilotado, o Heavy é desajeitado, mas seu poder de fogo compensa.

Bem gente sobre o Escape from Butcher Bay é isso, agora mas ver a continuação Assault on Dark Athena.

Assault on Dark Athena é o segundo título da série, foi lançado ano passado para Ps3, Pc e Xbox 360. O jogo começa no exato ponto que acaba o primeiro. Basicamente tudo que há no Butcher Bay se mantêm no segundo, infelizmente Johns não tem uma participação ativa no Dark Athena, mas Vin Diesel volta a fazer uma ótima atuação de seu personagem mais sombrio.

O enredo de Assault on Dark Athena

Tudo começa na nave de Hoxie usada na fuga por Riddick e Johns. Os dois estão em sono criogênico numa viagem sem destino revelado. A pequena nave se aproxima de Aguerra Prime, um planeta quase todo coberto pelo mar, sendo sua principal economia a mineração. Orbitando o planeta uma grande nave de mercenários, a Dark Athena. Riddick sai de seu sono induzido e ao perceber que a grande nave está forçando eles a entrar em suas docas o assassino desaparece. Os mercenários forçam a entrada da pequena nave e injetam no local onde Johns dorme um gás. Revas, a capitã da Dark Athena sabe que Johns ajudou Riddick a fugir de Butcher e que agora há um bom preço pela sua cabeça. Seu objetivo aqui não é ajudar Johns, mas sim arrumar outra nave para continuar sua fuga. Durante o tempo que você fica na Dark Athena descobre que ela não é uma simples nave de mercenários, o que fazem ali é muito pior. Revas está criando um exército descartável de Drones. Pessoas comuns são seqüestradas e ao passarem por uma cirurgia ficam suscetíveis a ordens simples, ou podem ser controlados a distância por outra pessoa.

Os Gráficos

Os gráficos de Dark Athena são muito bons, não chegam a se destacar como os do Uncharted ou do Resident Evil 5, mas não há reclamação quanto a isso. Os efeitos de luz e sombra que já eram bons em Butcher Bay, aqui são aprimorados. As texturas e os personagens estão mais detalhados, assim como as animações. Os diálogos estão ainda melhores em Dark Athena, as vozes e as expressões soam realistas, o que deixa o jogo muito mais interessante. Há mais variações de inimigos do que antes, tirando os Drones que são todos iguais. Do meu ponto de vista o melhor dos gráficos estão na parte do jogo que se passa em Aguerra. Os cenários são incríveis, e a iluminação do lugar é ótima. As partes boas na Dark Athena (me referindo a nave) são as que mostram o espaço, que ficou muito bom também.

Coisas do Jogo

O combate

Há pouca variação do combate que se tinha em Butcher Bay, para o que há em Assault on Dark Athena. Talvez a única diferença seja as Ulaks, um par de facas exóticas que nas mãos de Riddick são mais mortais que qualquer outra arma do jogo. A maior vantagem de se usar essas facas é a velocidade, elas são muito rápidas e mortais, pois são dois golpes desferidos ao invéz de um. As animações dos counters e das mortes são muito mais váriadas, aumentando ainda mais a diversão que se tem no combate corpo-a-corpo. A parte furtiva do jogo é preservada assim como o combate. A tela fica azulada sempre que você está escondido nas sombras, há ainda a possibilidade de arrastar os corpos para evitar de chamar atenção e é sempre bom destruir as lâmpadas para aumentar o breu no ambiente.

Demora até você começar a usar as armas de fogo no jogo, no entanto os drones ajudam um pouco nisso. Acoplado ao braço de cada um desses autômatos há uma metralhadora que pode ser usada assim que você o abate. A munição é limitada e não tem como recarregar, mas já é uma boa ajuda. A maioria das armas de Butcher Bay ainda estão presentes em Dark Athena, inclusive com o mesmo design. Mas o novo jogo trás algumas novidades, principalmente no multiplayer. Durante a campanha, na parte em que se passa em Aguerra, você encontra uma arma usada para mineração, a SCAR. Essa arma dispara até cinco cargas explosivas que podem ser detonadas ao seu comando, muito útil para se fazer emboscadas. A munição dessa arma é infinita na campanha, mas no multiplayer não.

Itens e Bounty cards

Em Dark Athena os itens quase não existem. Você continuará recolhendo os refis do Nanomed, mas fora isso tudo que você pegar, além da Vent Tool, será exclusivo de missões e sem nenhuma utilidade prática no jogo, como em Butcher Bay que você podia comprar cigarros ou trocar itens por outras coisas com o NPC certo. Aqui os cigarros foram substituídos pelos Bounty Cards, que são os cartazes de “Procurado” do universo de Riddick. Esses cartões só servem para liberar os extras do jogo, alguns desses extras são perfis dos personagens que você encontra, bem interessante. Uma coisa engraçada nos bounty cards são as fotos e os motivos pelos quais as pessoas estão sendo procuradas, alguns chegam a ser ridículos.

As missões

As missões secundárias em Dark Athena são poucas, você pode concluir o jogo sem se preocupar com elas. Mas para quem quer uma boa oportunidade de completar a campanha mais de uma vez essas missões são uma boa ajuda. Essas missões até que são bem variadas, como entregar uma carta, ou destruir alguns satélites que estão bloqueando qualquer tentativa de comunicação do planeta.

Eyeshine


A principal característica de Riddick, o eyeshine continua exatamente como era em Butcher Bay. Eu só achei uma pena o fato de quando você ativa o eyeshine não há nenhuma animação do personagem tirando seus óculos. Quem viu o filme sabe que a visão normal de Riddick é a que nós vemos com o eyeshine ativo, e que ele usa seus óculos para escurecer tudo, para assim não ter sua visão ofuscada pela luz.

Drones e Robôs

Drones são humanos que depois de passarem por um processo ficam sem vontade própria, podendo receber ordens simples, ou mesmo servirem de marionetes para alguém que o controla a distância. Esse processo de transformação é explicado em um dos extras do jogo. Em alguns momentos você vai poder controlar alguns desses drones, os comandos são praticamente iguais ao do jogo normal, a única mudança é que você consegue ver o display do drone. No comando desse zumbi tecnológico se pode recarregar sua arma, o que não acontece quando se usa após abatê-lo. Em Dark Athena você toma o controle de um dos robôs usados pela tripulação, isso acontece quando você precisa caminhar pelo exterior da nave. Tudo é muito semelhante ao título anterior, a maior diferença é que durante o trajeto há algumas cabines de reparo, em que você conserta seu robô e recarregar a arma secundária. Essa caminha pelo exterior da nave é muito legal, o cenário ficou muito bem feito e há os efeitos da falta de gravidade.

Multiplayer

Diferente de Butcher Bay, Dark Athena há o modo multiplayer. São seis modos diferentes de jogo,  primeiro os mais tradicionais, Deathmacht, Team Deathmacht e Capture the Flag. Todos sem nenhuma modificação que os torne diferente do que já vemos em outros jogos. Outro modo é o Butcher Bay Riot,  que acomoda até doze jogadores divididos em três times, prisioneiros, mercenários e guardas, nesse modo você compra suas armas, o dinheiro se ganha matando oponentes. O principal objetivo do B.B. Riot é levar uma célula de força até a base inimiga. Outro modo de jogo bem interessante é o Pitch Black, esse estilo de partida se passa em um mapa todo escuro, um dos jogadores controla Riddick que tem a sua disposição o eyeshine, os outros devem caçá-lo somente com o auxílio de suas lanternas. Quem matar Riddick o controla no início da próxima partida. O último modo de jogo é o Arena, são dois jogadores, ou duas duplas se enfrentando em uma pequena arena tendo disponível todo o arsenal do jogo.

O que podia ser melhor

A I.A. do jogo não é muito boa, não chega a ser ruim, mas nas partes mais furtivas do jogo a gente nota as falhas. Se esconder nas sombras podia ser muito mais desafiante e tenso se isso fosse melhorado. Outra coisa que podia ser melhorado do primeiro para o segundo jogo é a variedade de armas, quase não há diferença entre os dois títulos. Acho que até o Escape From Butcher Bay tinha mais armas. No primeiro jogo tem uma parte em que você se disfarça e caminha por uma parte da prisão, muito legal para a exploração, pena não ter nada assim no Dark Athena, o jogo ficou muito mais focado na ação perdendo os elementos de RPG que diferenciavam o EFBB.

Bem gente sobre o jogo acredito que é isso, logo que eu conseguir os filmes o post vai estar com mais conteúdo. Espero que tenham gostado, acho mesmo que o jogo vale, eu me diverti bastante jogando e ele não é curto. E as ofertas da PlayAsia pra quem quiser dar uma olhada.

Valeu!

 

 

O preço tá muito bom, menos de 50 reais sem envio, acho que vale. Pra quem ficou interessado e quiser ver a oferta é só clicar aqui ou na foto.

Eu curti muito o primeiro jogo, e espero poder jogar logo o segundo. Pra quem não jogou nenhum dos Army of Two no link têm as ofertas dos dois jogos. Pra ver é só clicar aqui ou na foto.

comentários
  1. Rodrigo Soares Gomes disse:

    Eu Ryddick Lord Darth Acquáryus. Esperava que esses jogos do Furyano fossem com visão em 1ª e 3ª pessoa.! como no jogo Concrete Jungle do Predator. Presionando L2 No Dualshock de Predator se alterna de 3ª para 1ª pessoa deixando igual ao filme.
    Uma coisa que raramente acontêce nos jogos é sairem como nos filmes.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s