Silent Hill Downpour

Publicado: 10 de maio de 2013 em Game Review, Jogos
Tags:, , , ,

JOGO-SILENT-HILL--DOWNPOUR-–-PS3Enfim minha faculdade terminou e eu posso novamente voltar a escrever aqui no blog que ficou pegando poeira por muito tempo. E para começar escolhi falar do último jogo da série Silent Hill para os consoles, Silent Hill Downpour lançado em março de 2012. Essa vai ser minha primeira análise que irá ter uma pontuação, como foi escolhido na enquete que fiz ano retrasado. A pontuação virá logo ao lado do que será analisado. Sem mais delongas vamos ao jogo.

Trailer do jogo

O enredo 6/10

A narrativa e a ambientação sempre foram os pontos fortes da série, as lutas com os monstros nunca foram realmente bons ou empolgantes, mesmo no jogo anterior (Homecoming), que possui o sistema de combate mais funcional dentre todos. As lutas nunca foram o motivo para se jogar Silent Hill. Felizmente a narrativa e atmosfera em Downpour são um passo na direção certa, em comparação com o que foi feito no Homecoming. Infelizmente nenhum dos dois chegou a atingir o mesmo nível dos jogos passados.

Como o enredo é um dos pontos principais do jogo, vou tentar não comentar muito sobre o que acontece, para assim evitar spoilers, porém posso dizer que Downpour mantém uma narrativa muito característica da série Silent Hill, sem deixar de ter sua própria identidade. Essa identidade já começa no protagonista do jogo, Murphy Pendleton, um detento que está envolvido em tantos mistérios quanto à própria cidade. O motivo da prisão de Murphy, o assassinato que ele comete logo nos primeiros minutos do jogo e tudo que ocorreu com seu filho vão sendo aos poucos revelado, o que não diminui o mistério, só aumenta, até que no fim (dependendo de qual final você vê) algumas respostas são dadas.

Murphy é tragado para a versão bizarra de Silent Hill durante uma transferência de presos. Assim que o ônibus da penitenciaria passa pelos limites da cidade ele sofre um acidente caindo em uma ribanceira. Logo que Murphy se recupera não há mais ninguém no local, só ele o ônibus quebrado e um caminho em direção a Silent Hill. É interessante ver como Downpour utiliza temas já usados nos outros jogos, mas de forma que não parecem reciclagem ou algo negativo, porém senti falta dos cultos e religiões bizarras que sempre fizeram partes do jogo. Não lembro de em nenhum momento em que o jogo tenha tocado nesses temas ou mesmo tente uma explicação para as coisas que estão acontecendo com Murphy. Sem esses elementos tudo no final parece meio aleatório e sem motivo.

Ambientação 5/10

Silent-Hill-Downpour-HeaderSobre o enredo é basicamente isso que quero dizer sem estragar a experiência de quem ainda não jogou. Porém posso afirmar que a narrativa é interessante até o fim do jogo. Agora sobre a ambientação o jogo possui seus altos e baixos. A cidade, que é onde você vai passar a maior parte do jogo é interessante com vários lugares que podem ser explorados, e ela se enquadra com o que já havia sido feito nos outros jogos. No entanto não há nada de extraordinário, espetacular ou bizarro tudo parece muito normal, mesmo os vários abismos que cortam Silent Hill impedindo seu caminho (tão tradicionais a série) perdem o mistério e o assombro quando vários deles estão cercados de sinais de perigo, como os que a policia e os bombeiros usam para bloquear uma estrada. A falta de coisas bizarras é um dos pontos mais baixos do jogo, porém vou comentar sobre isso mais a frente. Voltando a atmosfera da cidade a névoa é algo extremamente importante, no primeiro título uma das coisas mais assustadoras era correr pela cidade ouvindo o chiado do rádio sem saber de onde iria pular alguma criatura para te atacar. Já em Downpour essa sensação inexiste, mesmo havendo a névoa e o rádio, que agora não faz chiado só sons de patrulha policial indecifráveis  não há no jogo nenhum pavor real dos inimigos, pois na maioria das vezes você pode vê-los há uma boa distância.

Agora uma característica nova a série que foi uma ótima ideia é a chuva. Durante a campanha enquanto você está correndo pela cidade pode começar a chover, e quando isso acontece a ambientação se torna mais agressiva com raios e trovões, tudo fica mais escuro e assustador, deixando o clima de Downpour de diferente do que é usual a série, porém de uma forma que leva a experiência para um lugar muito mais próximo dos primeiros Silent Hill do que simplesmente a cidade e a névoa. O jogo afirma durante as várias telas de loadings que durante a chuva os monstros ficam mais agressivos, porém no decorrer do game isso não parece ser verdade, os inimigos aparecem sim em mais quantidade e frequência durante os temporais, mas de forma alguma mais agressivos. Pelo contrário, pareciam até ficarem mais tolos que o normal. Apesar de uma ótima ideia a chuva é pouco implementada na campanha, há somente uma cena durante toda a narrativa em que a chuva faz parte real dos eventos do jogo, fora isso ela é só ocorre às vezes quando se está andando pela cidade, e caso você entre em uma casa, mesmo que fique só um segundo, a chuva para de cair do lado de fora.

Silent-Hill-Downpour-Screen1Outro ponto que o jogo possui seus altos e baixos na ambientação são as sequencias no outro mundo, são nessas partes que o visual e a atmosfera são apresentados da melhor maneira. No entanto isso ocorre tão pouco e as sequências no outro mundo costumam ser tão curtas, que se torna difícil de aproveitar, pois você passa a maior parte do tempo fugindo de uma criatura e praticamente não há quebra-cabeças para se resolver. Só perto do final do jogo que há cenários que realmente merecem fazer parte de toda a bizarrice da série.  No geral todas as cenas no outro mundo são as melhores partes do jogo tanto na ambientação quanto em gameplay.

Os gráficos 3/10

20120503-192615Downpour não possui gráficos incríveis, eles são relativamente bons, principalmente quando a chuva está caindo. Os personagens são bem feitos, a sincronização dos lábios não é ótima, mas também não é ruim. Nada nesse quesito é memorável, no entanto o jogo sofre com a queda absurda do frame rate em vários momentos, como quando o jogo está realizando o save ou carregando alguma coisa. E a queda não é pouca, é absurda, de fazer a câmera do jogo mudar drasticamente para o céu ou para o chão, podendo assim arruinar um combate ou simplesmente irritar muito o jogador.  Se não houvesse esse problema com o frame rate não teria nada de errado com a parte gráfica, porém como no quesito gráficos também levo em conta a arte do título dei ao jogo a nota três, pois infelizmente Downpour não possui nem a metade da criatividade dos outros jogos da série nas bizarrices. Os monstros são em particular uma decepção, pois além de haver poucos, cinco no total, eles são completamente mundanos e nada assustadores ou perturbadores. Por um lado achei muito bom eles não reciclarem os monstros dos outros jogos (como as enfermeiras), porém o que é apresentado aqui só aumenta a sensação que falta coisas assustadoras em Downpour. As partes no outro mundo, principalmente perto do fim do jogo, são as únicas que salvam o título.

Coisas do jogo

Combate 3/10

Nenhum Silent Hill é reconhecido pelo seu excelente combate, as lutas meio travadas e a dificuldade de se enfrentar os inimigos sempre foram mais um motivo para essa série ser reconhecida como um survivor horror. Em Downpour o combate é reimaginado e o resultado possui seu lado positivo e também um negativo.

Começando pelos pontos positivos do novo sistema de combate, Murphy não pode carregar mais de uma arma branca por vez, ao contrário dos jogos anteriores em que você andava com todo seu arsenal disponível a qualquer momento. Há como carregar uma arma de fogo e outra arma qualquer, nada além disso. Outro detalhe desse novo sistema é que as armas se deterioram e quebram com o decorrer da luta, forçando o jogador a procurar pelo cenário outras armas ou fugir, afinal o combate desarmado é totalmente ineficaz. Isso dá ao jogo uma tensão que os outros títulos não possuíam  Outro ponto que contribui para isso é o novo menu do jogo, que não pausa a ação enquanto o jogador procura pelo item desejado. Como as armas são descartáveis, Murphy pode arremessá-las nos oponentes. O dano pelo arremesso é até considerável, porém atingir alguma coisa é um pouco mais complicado do que deveria. Infelizmente isso é tudo que pode ser dito de bom do combate do jogo, sendo assim vamos aos pontos negativos.

silenthilldownpour_00O primeiro aspecto que quero ressaltar é a animação do combate, que apesar de não influenciar no gameplay em si, é um grande fator no divertimento. Os movimentos de Murphy nos combates possuem pouca variação e se tornam repetitivos rapidamente, eles também são meio desajeitados. A pouca variação de inimigos e a falta de uma resposta positiva do combate faz essa com que você só entre em conflito com algum inimigo se for realmente necessário, pois não há muito prazer de fazê-lo por outro motivo.

Outro ponto é que não há nenhum tipo de esquiva ou outro modo de evasão dos ataques dos inimigos, há um botão de bloqueio, mas usá-lo é pior do que simplesmente correr em volta do oponente tentando escapar dos golpe, pois ao bloquear sua arma vai se degenerando, podendo até chegar a quebrar. O fato do combate ser travado e pouco eficaz e não possuir uma esquiva ou outro método eficaz de se proteger torna as lutas com mais de um oponente um desafio, principalmente se for em um local fechado. O problema é que não é um desafio bom, pois ele vem de um sistema de combate pouco eficaz. Outro ponto negativo é o comportamento dos inimigos, não importando com que arma branca o jogador só consegue acertar em torno de dois golpes nos monstros, em seguida eles entram em um modo de defesa e começam a atacar (a não ser quando vão ao chão). Então todos os combates entrem numa repetição extrema, esquiva dos golpes, acerta, acerta e esquiva dos golpes… por aí vai.

Nem as armas de fogo salvam o combate de Downpour. As armas não aparecem com muita frequência durante o jogo, porém é possível sempre ter alguns tiros disponíveis para as emergências que possam surgir. Infelizmente as armas de fogo não possuem o impacto que se espera, e apesar do dano ser alto e por rapidamente os inimigos no chão elas não são muito melhores de se usar do que o combate com armas brancas. A mira, apesar de funcional, não possui o refinamento que se espera, parecendo travada assim como o as armas brancas, porém em menor escala. Ultimo comentário sobre as armas, algumas armas brancas podem ser usadas para abrir portas ou outras interações com os cenários, assim como em Homecoming, o que é bom, pena que é pouco utilizado. Sobre os combates quero fazer mais uma observação, Downpour sobre de uma incrível falta de chefes, durante o jogo todo há somente dois confrontos importantes, e só um é realmente interessante, uma decepção.

Quebra-Cabeças 5/10

SHD2

Os quebra-cabeças estão presentes em Downpour, porém eles são poucos e em sua maioria simples de serem solucionados. Esse elemento é uma boa forma de quebrar a monotonia do combate, no entanto há poucos desses quebra-cabeças que mereçam ser mencionados, o único que achei realmente interessante foi o do espelho, e mesmo esse foi fácil de achar a solução. Os antigos jogos da franquia possuíam quebra-cabeças realmente difíceis e que exigiam uma boa dose de raciocínio, mas parece que cada vez mais essa característica está sendo deixada de lado. O que é uma pena, pois esse sempre foi um elemento interessante dos survivor horror.  Devo dizer que em Downpour há uma cena bem impressionante envolvendo um quebra-cabeça, minha única reclamação é que tudo que é realmente bom no jogo é curto e mal aproveitado.

Side Quests 6/10

Side quests, ou missões secundárias são aquelas tarefas que não são obrigadas a serem cumpridas para se fechar o jogo, em nenhum outro Silent Hill há side quests, Downpour é o primeiro a introduzi-las. O que é muito positivo, pois dá mais sentido a toda exploração que se faz pela cidade. Todas as missões são boas e se encaixam bem ao jogo, porém elas sofrem do mesmo problema que já havia mencionado, a falta de coisas bizarras e assustadoras. Espero que os próximos Silent Hill’s continuem com as side quests, pois elas fazem de Downpour um jogo bem mais interessante, sem elas metade da graça do título não existiria.

Silent Hill Downpour não é a continuação que a série merecia, porém há boas ideias aqui, e mesmo com seus vários problemas o título me manteve interessado e com vontade de continuar jogando do início ao fim. Se você quiser fazer tudo que há pra ser feito no jogo, isso irá consumir pelo menos umas vinte ou trinta horas, o que é bom se levar em conta que hoje Downpour pode ser comprado por um preço bem em conta. Sobre Downpour é isso, espero que tenham se interessado pelo jogo.

Radiated Out!

  1. O enredo 6/10
  2. Ambientação 5/10
  3. Os gráficos 3/10
  4. Combate 3/10
  5. Quebra-Cabeças 5/10
  6. Side Quests 6/10

Silent Hill Downpour – 4,6/10

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s